terça-feira, 22 de julho de 2014

Ouro e Amor


Há expressivos depósitos de ouro nas organizações bancárias de todos os povos; e as nações continuam gemendo sob o guante da guerra.
Há toneladas de ouro no corpo ciclópico da Terra; e, na crosta planetária, há quem chore nos braços constringentes da enfermidade e da fome.
Há imensa quantidade de ouro no seio do oceano; e a dor abarca todos os continentes.
Há ouro nas casas nobres; e os pequenos castelos, da ilusória felicidade humana, padecem o assalto de extremas desilusões.
Há ouro nos templos de pedra; e os crentes da fé religiosa permanecem famintos de paz e consolação.
Há ouro na indumentária de sacerdotes e magistrados, de homens poderosos e de mulheres felizes, entretanto, os museus gelados aguardam essas peças preciosas que se movimentam no rumo do silêncio e da morte.
Acima do ouro, porém, reina o amor no coração humano; amor que sorri para os infortunados e lhes renova o bom ânimo; que trabalha para o bem comum e preserva os tesouros da vida; que se sacrifica e acende imperecível claridade para séculos inteiros; que se gasta, em serviço aos semelhantes, sem jamais consumir-se...
Não esperes, assim, pelo ouro para fazer o bem.
Desenterra o talento do amor que jaz oculto em teu peito e tua existência brilhara, para os homens, por abençoado sol de alegria e esperança.
Jesus não possuía uma caixa forte para exibir virtude, segurança e poder, mas, alçando o próprio coração na cruz, em nome do amor, converteu-se na eterna mensagem de luz que redimirá o mundo inteiro.

(Emmanuel / Chico Xavier)

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Sem Competição



Desde cedo, o homem é educado para a competição. Os pais fazem questão de enumerar as qualidades dos seus filhos, que são ou devem ser os mais inteligentes, os mais espertos, os mais ágeis.

Nas idas ao parque, eles esperam que seus filhos sejam os que demonstrem melhores habilidades na bicicleta, no escorregador, sejam os primeiros na corrida, um craque da bola.

Nas festas de aniversário, melhor é aquele que consegue apanhar mais brinquedos na hora do estouro dos balões recheados de mil coisas que fazem o encanto da criançada.

Os destaques são, na escola, para os           que conseguem as notas mais altas, aprendem mais rápido ou, de alguma forma, se sobressaem nos estudos ou nos jogos.

Para os não tão hábeis, nem tão inteligentes, resta verem os irmãos em evidência, os colegas sendo laureados e, se não tiverem uma boa estrutura emocional, admitirem o adjetivo de incapazes ou de tolos.

Bela é a experiência daquela professora recém-formada, chamada Mary, que foi lecionar em uma reserva de índios navajos.

Todos os dias ela pedia a cinco dos jovens alunos navajos que fossem até o quadro e resolvessem um problema simples de matemática de seu dever de casa.

Eles ficavam ali em silêncio, sem querer cumprir a tarefa. Mary não conseguia entender.

Nada do que Mary havia estudado em seu currículo pedagógico ajudava e ela não sabia como lidar com a situação.

O que estou fazendo de errado? Será possível que eu tenha escolhido cinco alunos que não sabem resolver o problema?

Finalmente, ela perguntou a eles o que havia de errado. E, na resposta de seus jovens alunos índios, aprendeu uma surpreendente lição sobre autoimagem e noção de valor próprio.

Eles explicaram que queriam se respeitar uns aos outros. E, como sabiam que uns eram mais capazes e outros encontrariam dificuldade em resolver os problemas, não queriam exibir isso publicamente.

Apesar de muito jovens, entendiam como era inútil e desrespeitosa a competição do tipo perde-ganha na sala de aula. Pensavam que ninguém sairia ganhando se algum deles se exibisse ou ficasse encabulado diante de toda a turma.

Então se recusavam a competir uns com os outros em público.

Quando entendeu aquilo, Mary mudou o sistema, de modo a poder corrigir, individualmente, os problemas de matemática de cada criança, dedicando-se mais aos que tinham dificuldades.

E mudou muitas coisas em sua vida ao compreender que todos nós queremos aprender – não para nos sobressairmos diante dos outros, mas para sermos mais felizes.


*   *   *

Não estimule a competição no seu filho. Cultive nele a consciência dos valores reais.

Ensine-o a respeitar os que apresentam dificuldades, reconhecendo que o importante não é chegar em primeiro lugar a qualquer preço, mas completar com honra o percurso, e nunca a sós.

Por fim, estimule-o a conquistar a mais bela e brilhante medalha que deverá ostentar no peito: a do amor fraterno, que significa se importar com o outro, em todas as circunstâncias.


Redação do Momento Espírita

domingo, 20 de julho de 2014

Separação da Alma e do Corpo



154. É dolorosa a separação da alma e do corpo?

“Não; o corpo quase sempre sofre mais durante a vida do que no momento da morte; a alma nenhuma parte toma nisso. Os sofrimentos que algumas vezes se experimentam no instante da morte são um gozo para o Espírito, que vê chegar o termo do seu exílio.” Na morte natural, a que sobrevém pelo esgotamento dos órgãos, em conseqüência da idade, o homem deixa a vida sem o perceber: é uma lâmpada que se apaga por falta de óleo.

155. Como se opera a separação da alma e do corpo?

“Rotos os laços que a retinham, ela se desprende.”

a) - A separação se dá instantaneamente por brusca transição? Haverá alguma linha de demarcação nitidamente traçada entre a vida e a morte?

“Não; a alma se desprende gradualmente, não se escapa como um pássaro cativo a que se restitua subitamente a liberdade. Aqueles dois estados se tocam e confundem, de sorte que o Espírito se solta pouco a pouco dos laços que o prendiam. Estes laços se desatam, não se quebram.”

 Allan Kardec. O Livro dos Espíritos

sábado, 19 de julho de 2014

Com Doçura



O rapaz entrou na repartição pública, de forma impetuosa e sentou-se em frente à recepcionista. Antes que ela pudesse abrir a boca para cumprimentá-lo ou lhe perguntar a que vinha, ele desatou a falar.

Falava sem parar, sem pausas, sem pontos nem vírgulas. As suas eram reclamações pesadas, porque, dizia, todos estavam contra ele.

 A moça logo verificou que ele estava totalmente fora de controle e tentou perguntar: O que o senhor deseja que fa...?

O rapaz a interrompeu, de imediato, dizendo que ela ficasse quieta porque ele não concluíra o rol das reclamações. No entanto, embora ela se mantivesse silente, ouvindo, ele foi elevando o tom de voz, de forma que atraiu a atenção dos colegas das salas próximas.

Agora, várias pessoas se encontravam ali, preocupadas com a integridade física da recepcionista, dado o descontrole que ele manifestava.
A chefe de gabinete acionou a segurança, pedindo que, de forma discreta, ficasse à porta, para alguma eventualidade mais grave.

Cada qual ali presente, por sua vez, foi tentando estabelecer um diálogo com o jovem. Ele respondia a uma ou outra pergunta que lhe era feita, mas sempre em altos brados.

Então, uma jovem, de voz doce, lhe indagou: Você quer um copo d´agua?

Ele parou, surpreendido e disse: Quero sim, obrigado.

Ela logo retornou com a água e uma barra de chocolate. Os olhos dele brilharam.

Não como há bastante tempo! – Desabafou.

Na sequência, ela lhe foi perguntando a respeito de seu pai, se eles se falavam, se o pai o poderia ajudar na situação em que se encontrava.

Ele foi se acalmando e, tocado pela doçura da voz, o acolhimento que sentiu, foi respondendo, uma a uma as questões, o que permitiu pudesse receber atendimento.

Os que acompanhavam o desenrolar das cenas, ficaram boquiabertos. 

Eles, embora de forma serena, haviam tentado o diálogo, sem êxito.

No entanto, ela, com a sua doçura, lembrando-se de lhe oferecer algo que o pudesse confortar, retirando-o da crise de lamúrias, foi quem conseguiu.

Mais do que seu gesto, a doçura que colocou nas palavras teve o condão de modificar a disposição daquele jovem.

Atendido, ele se levantou e se dirigiu à porta. A segurança fora previamente dispensada. Ele se voltou, olhou para todos e disse: 

Obrigado. Nunca fui tratado como gente como aqui.

E, com a cortina das lágrimas quase a romper em caudal, se foi.

*   *   *

Por vezes, na mecânica das atitudes, nos esquecemos o quanto a doçura pode conseguir. Esquecemos de que pessoas que estão quase fora de si, por vezes, somente estão dizendo, de forma desesperada: Olhe para mim. Trate-me bem. É tão pouco o que eu peço: me ouça.

Há muita carência de amor, de afeição, no mundo. Fiquemos atentos e sejamos mais atenciosos com quem nos busca na repartição, no escritório, na escola.

Francisco de Assis, com sua doçura, falou ao irmão lobo, assassino da região, e dele conseguiu adesão à mudança de hábitos.

Nós também, utilizando doçura, poderemos alcançar corações em turbulência, que somente aguardam um gesto de bondade, para alterarem o rumo da própria vida.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Querendo Encurtar Caminho



“Por que o senhor nos faz perder tempo buscando Deus, quando já o conhece tão bem?”, disse um discípulo de Hasan de Basra. “Podia contar-nos como Ele é”.

    “Sim”, respondeu Hasan de Basra. “Mas acontece que, certa tarde, eu estava diante de um pântano, quando reparei que um homem se preparava para atravessá-lo. Gritei: cuidado, porque você pode escorregar numa pedra e molhar-se todo!”.

    O homem me respondeu: “Se isto acontecer, eu serei o único a ficar sujo. Entretanto, Hasan, se você escorregar e cair no seu caminho, todos os seus discípulos escorregarão e cairão contigo”.

    “A partir deste momento, compreendi: Deus é um desafio individual, cada pessoa é responsável por sua busca. Um mestre pode compartilhar sua experiência, mas nunca os seus resultados”.

 Autor desconhecido