quinta-feira, 13 de março de 2014

A Sabedoria de Receber


Algumas pessoas têm uma grande capacidade para dar, para oferecer a outrem presentes variados. Capacidade de descobrir o de que o outro necessita e lhe providenciar, com presteza.
Mas, percebe-se, que alguns de nós temos dificuldade em receber o que nos é ofertado. Por vezes, em determinadas circunstâncias de nossas vidas, reagimos a certas dádivas, com quase intolerância: Detesto caridade alheia em meu favor.
Esquecemos de que o próprio Cristo, o único Ser perfeito que transitou pela Terra, não se furtou a aceitar o auxílio de um tal Simão, das bandas de Cirene, na Àfrica, a conduzir o próprio madeiro da crucificação.
Com certeza, como em todos os atos de Sua vida, aproveitou o ensejo para ensinar a sabedoria de receber. Ele dera tanto de Si, amor integral que era.
Mas, naquela circunstância, exaurido pela perda de sangue após o suplício dos açoites e a coroa de espinhos, a noite indormida, a falta de alimento e de água, agradeceu com o olhar o auxílio do Cireneu.
E continuou caminhando, até o local do suplício.
Igualmente, expressou gratidão ante a dádiva de Verônica que, rompendo o cordão de isolamento dos soldados, chega até Ele e lhe enxuga a face ensanguentada e suarenta: deixou impressa Sua imagem no linho alvo.
Recordamos de uma professora que foi enviada a lecionar em uma escola de periferia.
Ali, havia falta de tudo. A sala de aula era escura, sem pintura, de aspecto quase sombrio. As condições eram as mais adversas possíveis.
E os alunos eram filhos de homens e mulheres sem teto, sem emprego, e tinham de si mesmos uma imagem depreciativa.
Ela chegou e fez a diferença. Convocou o marido, amigos, conhecidos, os próprios pais e organizou mutirões. Conseguiu tinta e a escola ganhou cores festivas.
Plantou flores para alegrar a entrada. E uma horta, para benefício dos alunos, que tudo recebiam entre a surpresa e a hesitação.
Jamais alguém os presenteara tanto. Eles estavam habituados a ter coisa nenhuma, rumando de uma para outra banda, seguindo os passos incertos dos seus pais.
E agora, estava ali uma professora a lhes oferecer beleza, arte, conforto, carinho em todas as suas atitudes.
A maior alegria foi no dia em que ela, em tendo recebido o primeiro salário, adquiriu vários livros e os disponibilizou, montando pequena biblioteca, na sala de aula.
Livros didáticos, livros de histórias, livros coloridos, cheios de gravuras. Livros que enchiam os olhos e a mente! Aquelas crianças verdadeiramente os devoraram, folheando cada um como um tesouro inestimável.
A alegria delas enchia o coração da professora de felicidades.
A maior surpresa, contudo, foi quando começaram a chegar os presentes deles: uma flor colhida na estrada, a caminho da escola; um desenho, um cartão, uma frase rabiscada em pequeno pedaço de papel.
Era a sua vez de receber. E o fez, de forma admirável, redobrando-se em cuidados para com eles.
E guardou cada um daqueles mimos, emocionada, pensando: Meu Deus, eles nada têm e me oferecem presentes.
A sabedoria de receber. Receber gratidão, um abraço, um aperto de mão, um envelope com certa quantia de que tanto necessitamos, um presente inesperado.
Pensemos nisso e recebamos com alegria o que nos ofertam amigos, conhecidos, desconhecidos, alguém que se sentiu tocado pela nossa ação, pela nossa vida, pela nossa dificuldade.


Redação do Momento Espírita.

Um comentário:

  1. Oiiiiii desculpa invadir seu espaço. Já sou seguidora do blog já tem um tempo e sempre passo por aqui.
    Hoje vim pedir um favor, vota na foto da minha filha no facebook.
    É muito importante para mim ganhar essa promoção.

    https://www.facebook.com/busuucom?sk=app_451684954848385&brandloc=DISABLE&app_data=chk-5314b9f3eb98d%2Cview-vote%2Cfor-2072168

    Dá essa força. Obrigada.

    http://blogdalu2013.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Deixem seu comentário, ficamos felizes com suas contribuições.